Eugenio de Lima e Pitella Advogados (Ir para a página inicial)
Ir para a página inicial Home Quem Somos Clientes Livros Eventos White Papers Imprensa Equipe Fale Conosco  
 
Press Releases     Artigos     Assessoria de Imprensa
 
Escritório Virtual: envie sua dúvida jurídica     Pesquisar:    
 
 
 
 
Clippings Jurídicos  
 
     
  Prontuário médico: direito ao sigilo para além da morte  
  (12/08/2010 11:42:00)  
     
  O direito ao sigilo, garantido por lei ao paciente vivo, tem efeitos projetados para além da morte  
     
 
Com a entrada em vigor do novo Código de Ética Médica (CEM) em setembro de 2009, o exercício da medicina sofreu algumas modificações. Alteração destacada diz respeito ao dever de sigilo que envolve os dados inseridos no prontuário médico do paciente. As informações lançadas pelo profissional ou por sua equipe na ficha de atendimento do paciente não podem ser devassadas por pessoa estranha, como dispõe o CEM e a Constituição Federal. Essas normas têm o objetivo de resguardar o direito personalíssimo do paciente à sua intimidade, que somente poderá ser violado com sua autorização.
Diferentemente, o sigilo do prontuário apenas poderá ser quebrado nos casos de o médico ter dever legal de fornecer os dados do prontuário para alguma autoridade ou por justa causa. Surge, então, uma questão que atinge cotidianamente grande número de pessoas, de hospitais e clínicas médicas: parentes de pacientes mortos apresentam requerimento verbal ou escrito a hospitais e/ou clínicas médicas solicitando cópia do prontuário de seus parentes falecidos para obter indenização de suas seguradoras ou para analisar a qualidade do atendimento realizado com vistas ao acionamento judicial da equipe que prestou atendimento ao doente.
Vale perguntar: podem os hospitais e clínicas médicas entregar cópia do prontuário diretamente para os parentes dos pacientes nessas hipóteses? Não, conforme o Parecer CFM 6/10. Sua ementa determina que “o prontuário médico de paciente falecido não deve ser liberado diretamente aos parentes do de cujus, sucessores ou não. O direito ao sigilo, garantido por lei ao paciente vivo, tem efeitos projetados para pós-morte. A liberação do prontuário só deve ocorrer ante decisão judicial ou requisição do CFM ou do Conselho Regional de Medicina (CRM)”. Vale registrar que os conselheiros que emitiram esse parecer asseveraram que o direito personalíssimo ao sigilo do prontuário não pode ser violado a pedido de parentes, seja qual for o grau de parentesco. Afinal, o Código Civil brasileiro não estabelece que haja uma relação de representação legal entre essas pessoas apta a autorizar um parente a pedir cópia do prontuário de um ente querido.
Diante dessas circunstâncias, como o familiar não tem acesso direto aos dados do prontuário, é preciso que ele promova ação judicial de exibição de documento contra o hospital ou clínica médica, se a informação constante do prontuário for essencial ao exercício de algum direito, como é caso da cobrança de uma indenização prevista num seguro de vida ou a promoção de ação judicial indenizatória contra o médico ou a casa de saúde. O autor da medida cautelar de exibição de documento deverá demonstrar qual é o documento que pretende ver exibido em juízo – na hipótese, prontuário médico – e comprovar o fundamento para a acolhida desse requerimento, necessário para se obter meio de prova para a promoção de ação de cobrança de seguro ou para o ajuizamento de ação indenizatória, a título de ilustração.
Nesses casos, se ficar comprovado que o parente do paciente falecido precisa dos dados constantes do prontuário para exercer seu direito, o juiz deverá determinar a exibição do relatório, na íntegra ou parcialmente, conforme a urgência do autor da ação judicial. Porém, é importante esclarecer que o juiz não deve reputar ilegítima a recusa do hospital ou clínica médica em fornecer cópia do prontuário, especialmente para fins de distribuição dos ônus processuais decorrentes do acolhimento da pretensão do autor da ação judicial. Como existe o dever de sigilo sobre os dados do prontuário, não poderá a casa de saúde ser condenada a suportar as custas do processo (ônus sucumbenciais), tendo em vista que ela não deu causa ao ajuizamento da ação por vontade sua. A partir dessa orientação do CFM, explicitada no Parecer 6/10, tornou-se necessária a postulação da medida cautelar de exibição de documento para o caso de algum familiar precisar de cópia do prontuário de seu parente falecido para exercer direito que envolva esses dados protegidos pelo sigilo médico. A disciplina legal para o exercício dessa ação cautelar está prevista no disposto no artigo 844, combinado com as regras constantes dos artigos 355 e seguintes, todos do Código de Processo Civil.


Fonte: Guilherme Carvalho M. de Andrade - Estado de Minas
 

    Voltar

       
 
 
 
ANUARIO BRASILEIRO DE DIREITO DA SAUDE, GERENCIAMENTO DE RISCO LEGAL E ACREDITAÇÃO EM SAÚDE
Lançamento: Novem
Comprar  
   
 
 
SAUDEJUR
Lançamento realizado em 07/08/2012 na abertura do 19o Congresso Mundial de Direito Médico
Comprar  
 
 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
 
Clipping Jurídico    
 
 
 
Sep, 12, 2014 | Ações na Justiça forçam planos de saúde a cobrir home care  
 
 
Sep, 12, 2014 | Ministério público recomenda que ANS regulamente cancelamento de plano  
 
 
Sep, 12, 2014 | Juíza manda soropositivo parar de contaminar pessoas nos EUA  
 
 
Sep, 12, 2014 | Anvisa recua e remédio equivalente não será mais barato  
 
 
Sep, 12, 2014 | OMS aponta mercado negro de soro sanguíneo em países com ebola  
 
 
Sep, 12, 2014 | Casos que mostram o despreparo em lidar com informações dos pacientes  
 
 
Sep, 12, 2014 | MPF recomenda que planos de saúde sejam cancelados por telefone  
 
 
Sep, 12, 2014 | Aparelho contra tabagismo é licenciado como remédio no Reino Unido  
 
 
  Parceiros  
 
    AC Accreditation Canada   AMIB
 
    BCI Boston Cambridge Institute   FBG Federação Brasileira de Gastro
 
    Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia   IQG
 
    SBOT   SBOT-SP
 
    SBRA   SBRH
 
    SOGESP  
 
 
Eugenio de Lima e Pitella     Política de Privacidade     Termos de Uso
© 2007-2007 Eugenio de Lima e Pitella Advogados. Todos direitos reservados.
 
Powered By Pronto Fatto - Agência Digital Inteligente - 2010